quinta-feira, 29 de setembro de 2011

LINGUA, UM VENENO MORTAL (PARTE I )

Texto 3.1-12
         Prezado irmão e amigo este assunto que vamos abordar é  uma materia insdispensável a você. Todavia, é muito comum principalmente o cristão de hoje, ler um texto bíblico, que foi escrito sob isnpiração divina para todos  nós. Porém muitas vezes achamos  que o texto que estamos lendo não é para nós e sim para os outros. Devemos ficar cientes, que toda a Palavra que sai da boca de Deus , é divinamente inspirada desde o primeiro livro até o ultimo (Gênesis  a Apocalipse). Quando a  mensagem que você lê, se é que lê, é para ser  aplicada em sua vida.  O assunto de hoje nesta postagem direcionado a mim  e você de autoria do  Pastor A. J. de  Bem, que dedicou toda sua vida ministerial a causa de Cristo. Este assunto que vamos repassar  é muito importante pois  se trata de um pequeno membro que faz parte do nosso corpo físico, a língua; tão pequeno, mas conforme Tiago na sua epístola: 3.5-8 Vejam como uma grande floresta pode ser incendiada por uma pequena chama!  O escritor usa  uma metáfora, a língua e comparada como um fogo. A língua esta posta entre os nossos membros v.6; e contamina todo o corpo, e inflama o curso da natureza, e é inflamada pelo inferno. Verso 8, que nenhum homem pode domar a sua língua. É um mal que não se pode refrear; Ela é má, cheia de veneno mortal. E continua v9; com ela bendizemos a Deus e Pai e com ela amaldiçoamos os homens feitos semelhança de Deus.  O irmão você tem pecado com sua  língua?  Talvez pode  responder que não. Até nem admiti, é isso? o objetivo desta postagem não de julgar esse ou aquele. E sim o de reconhecer nossas fraquezas, humilhar-se arrepender-se são especialidades para um cristão de verdade, principalmente para os que fazem parte como membros  do corpo de Cristo.  Você  não acha  que não admitir sua  fragilidade pessoal, se torna prejudicial, e os que assim procedem perderam a capacidade de serem  espirituais?   Sua língua já matou alguém?  O irmão alguma vez foi advertido  de sua língua venenosa?  Já foi repreendido em razão disso? Reconheceu o seu pecado?  Ou tentou explicar e justificar seu mau uso da língua?  Alguém lhe exortou, e ficou bravo?  Ou você querido é do tipo de crente que  nunca admite o seu pecado? Prezado leito, procure  informar-se, o que os crentes pensam de você no que diz respeito à sua língua. Dê as pessoas as condições de serem francas com você. Estou convicto, em dizer que é muito comum alguns  crentes desconhecerem  seus próprios erros.  
Na  Biblia há dezenas de versículos que falam sobre o mau uso da língua. Olhando rapidamente achamos 21 referências sobre este  assunto:   A língua também é chamada nas Sagradas Escrituras de difamadora, mentirosa, enganadora, maligna, dobre, falsa, lisonjeira, mortal,  incendiária, indomável, incoerente, destruidora,  estulta, armadilha, precipitada condutora, confinadora, torpe, obscena, frívola  e venenosa. Como já citamos  Tiago 3.1-12 é o texto por excelência, sobre o mau uso da Lingua.
Vamos  abordar  primeiramente sobre a palavra FRIVOLIDADE –Jesus diz em Mt 12 36,37 Eu afirmo a vocês que, no Dia do Juízo, cada pessoa vai prestar contas de toda palavra inútil que falou. Porque as suas palavras vão servir para julgar se você é inocente ou culpado. Uma  palavra frívola poderia  ser traduzida com vários conceitos como: ociosa, fútil, inútil, desnecessária, vã, sem valor. Paulo diz em  Ef 5.4  Não usem palavras indecentes, nem digam coisas tolas ou sujas, pois isso não convém a vocês. Ambos, dizem, que não se trata apenas de  uma palavra usada sem contexto, mas as que exprime um pensamento, uma frase mal colocada. Por exemplo coisas que dizemos muitas vezes em alguma área da nossa vida, quer espiritual, intelectual, material ou social. Gastamos  nossa língua com conversas que não edificam, que não trazem qualquer benefício. Prestemos atenção nas nossas conversas. Contudo para evitar o exagero do Zelo ignorante (Rm 10.2) ou do Falso Puritanismo, é importante que se diga, que o crente é um ser espiritual, mas também um ser social. Porque somos seres sociais é que nos divertimos naturalmente. O problema não está em brincar ou se  divertir, mas a forma, o modo,  como o crente deve proceder. As vezes contamos anedotas, e se essas forem indecentes, maliciosas e imorais, além de ser Frivolidade ou Palavras vãs, são também Torpes ou Linguagem obscena. Ef 4. 29 Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem. Cl 3.8  Agora, porém, despojai-vos, igualmente, de tudo isto: ira, indignação, maldade, maledicência, linguagem obscena do vosso falar. É claro que isso é pecado. Se o crente vive o tempo todo contando anedotas, mesmo que não sejam maliciosas, ele esta enquadrado  na Frivolidade.  No entanto quando contamos anedotas ocasionalmente, com a finalidade de os divertirmos, porque somos seres sociais e não podemos mudar isso, a nossa naturalidade,  ou quando contamos algo para ilustrar coisas que queremos ensinar, não há nada errado nisso. Além de sermos espirituais, somos também sociais, e daí rimos, brincamos e nos divertimos. Há uma outra consideração importante aqui. Há pessoas que tem temperamento diferente entre si. Algumas delas são por natureza mais brincalhonas, outras  mais fechadas. As do primeiro grupo são tentadas a exagerarem e a pecarem com palavras Frívolas. As pessoas fechadas podem julgar e condenar as brincalhonas, mas não porque elas sejam mais espirituais que as outras e sim, porque elas são fechadas. E até podem querer dar impressão ou interpretam para outros  que a vida cristã  tem que ser sempre fechada,isolada. Note isso,  até é possível confundir o temperamento Fechado com Espiritualidade. Por isso as pessoas fechadas podem pensar que as brincalhonas são Frívolas. Fp 4.8.  Como podemos saber quando estamos e quando não estamos sendo Frívolos? I Co 10.31, serve de regra. Se uma anedota cheia de humor ilustrativo sem malícia alguma, me ajuda  ter mais comunhão social com meus irmãos, então esta anedota glorifica a Deus. Se uma brincadeira sem tom pejorativo faz o mesmo efeito, então também glorifica a Deus.  O crente teve ter  bom senso para saber Como deve brincar, Com quem pode brincar, Quando pode brincar, Até onde pode brincar; Que tipo de brincadeira pode se usada. Repeto o mesmo versículo que  nos ajuda a compreender Fl 4.8.  As palavras são Frivolas quando não edificam em nada. O crente precisa de edificação espiritual, intelectual, social e emocional. É por isso que conversamos coisas que não são espirituais. Prezado irmão, o que é que você conversa? Os assuntos que você trata nas suas conversas edificam em algumas áreas mencionadas acima? O irmão gosta de anedotas? Conta só de vez em quando ou sempre? Fala só palavras que promovem comunhão social sadia, ou aquelas imorais também? Fique atento com a sua língua. Repito Tg 3.9. Seja um cristão prudente, penses antes de falar algo que  venha ferir alguém. Pelo fato deste assunto ser extenso aguarde o próximo assunto sobre o mau uso da lingua;  o Cântico mundano e a Fala precipitada

Fonte  Revista – intitulada “Um veneno chamado Língua” pgs.2-4 - Pr A.J. de Bem
Postagem –Pb Daniel Silveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário