quinta-feira, 22 de agosto de 2013

O que Jesus ensinou sobre marcar datas?

Nosso Senhor foi bem enfático ao ensinar sobre Sua volta. Em pelo menos cinco passagens(sete, se forem incluídas passagens paralelas), Jesus advertiu os discípulos e crentes contra marcar datas. Mas, como já vimos, em toda a história da Igreja houve uma quantidade incrível de especulações relativas a datas.
Jesus enfatizou a profecia e o entendimento dela nos Seus ensinamentos. Ele não evitou nem descartou sua relevância; fez exatamente o oposto. Ele enfatizou a importância da profecia para entendermos Sua vida e Seu ministério. Mas também explicou que há alguns aspectos do futuro que não podem ser conhecidos com precisão. Sua volta é certa, mas o momento exato não. Jesus entendia a vontade humana de conhecer o futuro, mas não permitiu que Seus seguidores caíssem nas tentações dos videntes:
  • Mateus 24.36: “Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai” (Marcos 13.32 é uma passagem paralela idêntica).
  • Mateus 24.42: “Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor”.
  • Mateus 24.44: “Por isso ficai também vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá”.
  • Mateus 25.13: “Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora”. (Marcos 13.33-37 é uma passagem paralela.)
  • Atos 1.7: “Respondeu-lhes: Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade”.
Essas passagens são proibições absolutas de marcar datas. Alguns estudiosos de profecia disseram que estes versículos ensinam que era impossível saber a data na igreja primitiva,mas que nos últimos dias algumas pessoas saberão. Outros estudiosos disseram que estes versículos ensinam que ninguém sabe o dia nem a hora, exceto aqueles que forem capazes de descobri-los usando algum esquema cronológico. Ambos estão absolutamente errados! A data da volta de Cristo é uma questão de revelação de Deus. Ele decidiu não revelar isso nem para Cristo durante Sua humanidade em Sua primeira vinda (Mateus 24.36). Se o Pai não o revelou ao Filho na Sua humanidade, por que alguém pode crer que o Pai lhe revelaria isso? Jesus deixa bem claro: “Não!”




sábado, 17 de agosto de 2013




      




CULTO DOMÉSTICO,  O ensino de responsabilidade dos pais em benefício da formação da vida cristã dos seus FILHOS.    Vamos meditar sobre um antigo costume em nossos dias que é praticamente inexistente entre as famílias da Igreja: O Culto Doméstico. O ensino da nossa Igreja sobre este assunto está na Confissão de Fé.   Deus deve ser adorado em todo lugar, em espírito e em verdade, tanto em família, diariamente, como em secreto, estando cada um sozinho, e também, mais solenemente em assembleias públicas”. O culto público não é suficiente em si mesmo para satisfazer as nossas necessidades espirituais, temos de acrescentar, diariamente, o Culto em Família. E de modo semelhante, o Culto em Família não é suficiente, temos de observar também dominicalmente o culto público (Hb. 10:25).Não nos deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costumes de alguns, mas procuremos encorajarmos uns aos outros, ainda mas quando vocês veem que se aproxima o dia.